04 de Dez de 2021
Últimas:

Exames oftalmológicos podem apontar possíveis doenças sistêmicas. Conheça os sinais

Marcado pelo Mundial do Coração (29/9), setembro é o mês dedicado ao alerta sobre doenças cardiovasculares, que estão entre as principais causas de morte no Brasil e no mundo. No chamado Setembro Vermelho, oftalmologistas também se unem à campanha de conscientização para mostrar a importância do acompanhamento médico e oftalmológico, para prevenir o comprometimento da visão. “Problemas cardiovasculares podem ocasionar lesões no globo ocular. Os danos causados podem gerar perda visual grave e irreversível. As lesões mais comuns afetam a retina e o nervo óptico”, afirma o Dr. Vinicius da Silveira Saraiva, oftalmologista e especialista em doenças e cirurgia de Retina. Os principais sintomas apontados pelo médico são: visão turva, distorção das imagens e mancha escura no campo de visão.

Esclerose dos vasos sanguíneos da retina, sangramentos e inchaço na retina e nervo óptico podem ser detectados no exame de fundo do olho dos pacientes afetados por doenças cardiovasculares e indicar que o paciente tem algum problema sistêmico que merece atenção. Estudos populacionais já mostraram que cerca de 50% dos portadores de pressão alta não sabiam que tinham a doença. Uma ida ao oftalmologista, portanto, também pode ajudar no diagnóstico.

Corpo e olhos

Após avaliação do oftalmologista, podem ser recomendados tratamentos específicos, como aplicações de laser e de medicações intraoculares. Contudo, o especialista reforça que o controle da doença cardiovascular de base é fundamental. “A melhor forma de prevenção é cuidar da saúde cardiovascular. Recomenda-se aferir regularmente a pressão arterial e fazer check-up periódico com o cardiologista para diagnóstico e tratamento adequado de doenças cardiovasculares, como pressão alta, aterosclerose e arritmias cardíacas”, comenta o Dr. Vinícius Saraiva, que aponta que os problemas oculares causados por doenças cardiovasculares são mais comuns após os 50 anos de idade. Dados do Estudo Global Burden of Desease (GBD 2017) revelam que, embora as taxas de mortalidade por doenças cardiovasculares no Brasil tenham diminuído significativamente nos últimos anos, o número total de mortes aumentou, provavelmente como resultado do crescimento e envelhecimento da população.

Pressão Alta

Conforme esclarece o Dr. Vinícius Saraiva, a pressão alta descontrolada é um fator de risco e pode causar alterações nos vasos sanguíneos dentro do olho, que levam a redução do fluxo de sangue e consequente dano ao globo ocular. “Vale distinguir que a pressão alta sistêmica não causa aumento da pressão ocular. Entretanto, a pressão alta sistêmica pode causar dano direto ao nervo óptico e isso pode agravar lesões pré-existentes do nervo óptico em pacientes portadores de glaucoma”, explica. De acordo com as Diretrizes Brasileiras de Hipertensão Arterial de 2020, considera-se pressão arterial ótima aquela abaixo de 120 por 80 mm Hg.

No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, aproximadamente 35% da população é hipertensa, mas praticamente metade não sabe disso. Entre os que têm conhecimento, 50% fazem uso de medicação, e, desses, apenas 45% têm a pressão controlada.

Infarto ocular

Os infartos oculares ocorrem por obstrução do fluxo das artérias ou veias da retina. Um dos principais fatores de risco para sua ocorrência também é a pressão alta. Como acontece nos infartos cardiovasculares, são mais frequentes, ainda, em pessoas com diabetes e fumantes. Por isso, o acompanhamento multidisciplinar do paciente é fundamental. Enquanto realiza o tratamento ocular, na maioria das vezes com aplicação de laser e medicação intraocular, deve-se também controlar a doença sistêmica causadora do problema, por meio de alimentação e vida saudável, além de medicamentos, de acordo com avaliação médica.

“O bloqueio de fluxo sanguíneo ocular não apresenta dor ou sangramento visível. Com isso, quando o paciente sente alguma alteração visual, geralmente já há perda parcial ou total da visão. Além disso, o problema pode ser recorrente, o que só corrobora para a importância de visitas regulares ao oftalmologista”, diz o Dr. Vinícius Saraiva.

 

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Grupo Opty