09 de Abr de 2020

A startup Mojo Vision divulgou recentemente o primeiro protótipo de uma lente de contato com realidade aumentada do mundo

b_300_0_16777215_00_https___hypescience.com_wp-content_uploads_2020_01_lente-de-contato-com-realidade-aumentada.jpg

O que eles chamam de “a primeira verdadeira lente de contato inteligente” pode fornecer direções, mostrar pontuações esportivas e até deixar o usuário enxergar no escuro. Tudo isso sem que as pessoas percebam que você está usando uma tela miniaturizada nos olhos, e com a maioria das informações disponível mesmo se você fechar os olhos. “Queremos que a interação seja sutil”, disse o vice-presidente de produto e marketing da empresa, Steve Sinclair. “As lentes serão o mais discretas possível, fornecendo as informações que você deseja quando deseja, sem que seja bombardeado ou distraído por dados quando não os deseja”, completou o CEO, Drew Perkins. 

Computação invisível 

O lema da “Mojo Lens” é “computação invísvel”. O objetivo da companhia – formada por veteranos de grandes empresas tecnológicas como Apple, Google, Amazon e Microsoft – é reduzir a nossa dependência de aparelhos e telas. Ou seja, ao invés de pegar seu telefone quando ele toca no meio de uma conversa, você simplesmente olha para o canto de seu olho para ativar a interface da lente de contato. Claro que isso não é uma coisa fácil de se atingir – outras empresas já tentaram criar lentes de contato ou óculos com realidade aumentada antes e enfrentaram obstáculos com sensores de todos os tipos, como os de movimento para rastreamento ocular e estabilização de imagem.

A tecnologia 

O protótipo da Mojo Vision vem com uma tela LED em miniatura embutida, com uma densidade impressionante de 14.000 pixels por polegada quadrada (ppi). Segundo a companhia, este é um recorde mundial – a título de comparação, a tela Retina do iPhone 11 tem uma densidade de “apenas” 323 ppi. Por enquanto, a lente é carregada a partir de um dispositivo que você usa no pulso, o mesmo que realiza a maior parte de sua computação. Eventualmente, no entanto, a empresa quer dispensá-lo em favor de uma solução baseada em smartphone. Um repórter do portal Wired testou o protótipo e o aprovou. Para sermos claros, ele não colocou uma lente de contato ainda – o objeto foi segurado na frente de seus olhos, como uma lupa. 

b_300_0_16777215_00_https___hypescience.com_wp-content_uploads_2020_01_lente-de-contato-com-realidade-aumentada-2-838x558.jpg

Julian Chokkatu contou que, se você olhar para a frente enquanto estiver usando a lente, não vê nada. Se espreitar o canto dos olhos em qualquer direção, no entanto, ícones surgirão, variando de calendário, previsão do tempo, notificações, música etc. Se olhar para a seta ao lado desses ícones, eles expandirão e você poderá ver mais detalhes – como uma previsão de três dias ou todos os seus eventos do dia. “Levei cerca de um minuto para descobrir como navegar na interface; tudo pode mudar a qualquer momento, mas é promissor ver como é simples de usar”, relatou. 

Próximos passos 

A tecnologia é de fato admirável, mas é importante lembrar que não passa de um protótipo funcional no momento. O produto final ainda está em fase de desenvolvimento e planejamento e não deve chegar às lojas tão rápido. Apesar disso, a Mojo Vision já está trabalhando junto à Administração de Drogas e Alimentos dos EUA para definir regulamentos e padrões de qualidade para a liberação comercial de uma lente de contato que ajude pessoas com dificuldade de visão. Chokkatu experimentou as propriedades da lente dedicadas a pessoas com algum problema de visão. Por exemplo, em um quarto onde ele ficou quase totalmente na escuridão, ainda pode distinguir pessoas, bordas e até ler placas.  

“Era quase como usar visão noturna. O sensor de imagem me mostrou o mundo real, mas a lente aumentou o contraste, destacou as bordas, ampliou os objetos e realizou alguns outros truques para me ajudar a ver no escuro. Idealmente, ajudará os usuários com deficiência visual a navegar pelo ambiente muito mais facilmente. Foi impressionante”, observou.

 

 

 

 

 

Fonte: Hypescience