27 de Jul de 2021

Alterações na visão, aparência ou fundo do olho podem antecipar o diagnóstico de Covid-19 e outras doenças graves

A maior causa das consultas oftalmológicas é a dificuldade de enxergar. Mas, nossos olhos podem ser a porta do diagnóstico de muitas doenças e facilitar o check-up em tempo de pandemia. Segundo o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto, muitos sintomas oculares estão relacionados a alterações em outras áreas. ”Nos consultórios oftalmológicos é possível detectar doenças oculares e sistêmicas através do exame de fundo de olho que mapeia todo nosso organismo. Isso só é possível porque o olho é o único órgão que permite visualizar todos os vasos e artéria", pontua.

Algumas doenças provocam desconforto ocular mas estão relacionadas à alterações em outras partes. É o que mostrou recente estudo realizado com 83 pessoas contaminadas pelo coronavírus que foi publicado na BMJ Open Ophthalmology. Semanas antes do diagnóstico da Covid-19, 23% dos participantes sentiram todos os desconfortos do olho seco: coceira, vermelhidão, sensação de areia nos olhos e visão embaçada. Não é para menos, o oftalmologista explica que a lágrima tem a função de proteger os olhos das agressões externas, incluindo vírus e bactérias. Por isso, quem tem alterações na lágrima se torna mais vulnerável à Covid-19 devido a conexão da superfície ocular com o nariz pelo ducto lacrimal.

O exame

Para mapear nosso organismo, Queiroz Neto afirma que o exame de fundo de olho é feito com a pupila dilatada e um oftalmoscópio, lente que aumenta diversas vezes o nervo óptico, retina e vasos. O exame não é preventivo, comenta, porque a doença já está instalada, mas permite controlar a evolução da hipertensão arterial, diabetes, doenças reumáticas, tuberculose, toxoplasmose, lepra, AIDS, e até tumores intracranianos. Para se ter ideia, um paciente com diabetes pode apresentar alterações nos vasos que revelam qual o risco de retinopatia diabética e como estão funcionando os rins.

Sinais de alerta

Queiroz Neto afirma que os principais sinais de alerta que podem ser percebidos pelos olhos são:

·       Pupila contraída: indica uveite, inflamação da uvéa que é formada pela íris, corpo ciliar e coróide;

·       Pupila dilatada: sinaliza tumores, glaucoma, trauma, doenças do sistema nervoso central;

·       Visão dupla: aponta tumor intracraniano, acidentes vasculares centrais, traumas ou hiperglicemia;

·       Olhos saltados e inchaço: são sinais, principalmente, de distúrbios da tireóide;

·       Mudança na cor dos olhos: é causada por medicamentos ou inflamações oculares;

·       Cegueira momentânea: indica tumor intracraniano, má circulação no cérebro ou arritmia cardíaca;

·       Visão borrada: ocorre no diabetes, sangramento ocular, inflamação, hipertensão arterial;

·       Olho seco: indica disfunções hormonais, menopausa ou Síndrome de Sjogren, doença reumática crônica.

Visão e dor de cabeça

O especialista ressalta que a dor de cabeça relacionada à visão aparece no final do dia para quem passou dos 40 anos. “Também atinge quem tem grande diferença de grau entre os olhos ou não atualiza os óculos há mais de um ano”, pontua. Enxaqueca frequente pode indicar risco de glaucoma ou neuropatia óptica.

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier