04 de Dez de 2021
Últimas:

Levantamento mostra que as principais causas são evitáveis

Deficiencia visual e a segunda no Brasil diz pesquisa

A Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) iniciada em 2019 e recém-divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que 7,8 milhões de brasileiros sofreram perda de membro inferior neste período. A deficiência visual no mesmo espaço de tempo ficou em segundo lugar no ranking com quase 7 milhões de casos. De acordo com o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto o resultado da PNS confirma o levantamento realizado no mesmo ano pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) do qual o médico faz parte. A maior causa de deficiência visual apontada pela pesquisa foi a catarata, perda da transparência do cristalino, lente interna do olho. Para se ter ideia, quase 1/3, 34,6% dos participantes com 60 anos ou mais, foram diagnosticado com catarata.

O oftalmologista afirma que além do envelhecimento, outros fatores contribuem com o diagnóstico. Entre eles, o uso abusivo do sal de cozinha apontado por 12,7% dos participantes da PNS. O cristalino, comenta, tem receptores de sódio que em excesso prejudica diversos órgãos, inclusive os olhos, e predispõe à hipertensão arterial. “O consumo acima dos 5 gramas/dia de sal conforme preconiza a Organização Mundial da Saúde (OMS) também cria depósitos na parede da lente do olho que aceleram sua opacificação”, explica Dr. Leôncio.

Outros riscos

A análise da pesquisa pelo oftalmologista também aponta maior propensão à catarata em 9,6% da população com mais de 35 anos diagnosticados com diabetes. “As frequentes oscilações glicêmicas entre diabéticos aumentam a formação de radicais livres e por isso estimulam a doença. A hiperglicemia, ressalta, pode levar a outras duas importantes causas de perda definitiva da visão. Uma é a retinopatia diabética que forma neovasos na retina e provoca sua degeneração. A outra é o glaucoma neovascular que leva à falta de oxigenação no fundo do olho, podendo causar a perda da visão.

Sintomas e tratamento

Os primeiros sinais da doença são: mudança frequente do grau dos óculos, perda da visão de contraste, dificuldade de enxergar à noite ou em ambientes escuros, aumento da fotofobia (aversão à luz) e da fadiga visual na atividades online. No Brasil tanto o aumento da catarata como de outras alterações na visão decorrentes do envelhecimento, como a presbiopia ou vista cansada que ocupa a segunda posição entre as deficiências visuais, supera a de outros países. Isso porque, a velocidade do envelhecimento populacional no Brasil é maior que em outros países. A estimativa do IBGE é que em 2030 a população com mais de 60 anos no Brasil supere a de crianças com até 14 anos. A boa notícia é que hoje podemos nos livrar dos óculos de leitura, miopia e da catarata de uma só vez. Na cirurgia, único tratamento da catarata, o cristalino opaco pode ser substituído pelo implante de uma lente que corrige a visão para todas as distâncias. Feita com anestesia local, a operação é realizada em 15 minutos e no dia seguinte a maioria das pessoas já enxergam bem.

Prevenção

Queiroz Neto afirma que não é possível evitar a catarata, mas alguns cuidados mantêm o cristalino transparente por mais tempo. As dicas do médico são:

  • use óculos com filtro UV nas atividades externas;
  • evite coçar os olhos;
  • durma bem;
  • inclua na sua dieta para melhorar a lágrima e proteger todos os tecidos do olho, folhas verde-escuro, gema de ovo, castanhas, semente de linhaça, frutas e raízes de cor laranja, frutas cítricas, leite e seus derivados.

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier de Campinas