28 de Jan de 2022

A ciência vem mostrando dia após dia a possibilidade de mudar a vida de pessoas com deficiência visual: um novo estudo da Harvard Medical School Eric Pierce (Estados Unidos) conseguiu ajudar pacientes que não enxergavam cores há anos, por meio de uma terapia injetada diretamente nos globos oculares. O tratamento permitiu ver cores com mais nitidez do que nunca. Vários participantes do estudo, todos com um tipo grave de deficiência visual genética chamada amaurose congênita de Leber, relataram uma melhora da visão. Embora ainda esteja longe de ser perfeita, eles agora podem se locomover com segurança com menos assistência e encontrar objetos menores. Um deles relatou que o tratamento forneceu a capacidade de ver as cores pela primeira vez em anos. Os relatos dos pacientes vão desde discernir comida em um prato até o choque de conseguir ver a cor rosa no céu durante o pôr do Sol.

b_300_0_16777215_00_https___t.ctcdn.com.br_T-rR9hm9jkM-hTVqXlODzJ3m9yM=_1024x0_smart_i435578.jpeg

A maioria das terapias genéticas testadas são menos diretas. A ideia dos pesquisadores era remover células do corpo de um voluntário, tratá-las e, em seguida, reintroduzi-las em seu organismo. Mas isso não é possível com a retina, então os pacientes tiveram que ser tratados com injeções nos olhos. O tratamento parece ter tido resultados positivos, por enquanto.

“Estamos entusiasmados em ver os primeiros sinais de eficácia porque isso significa que a edição de genes está funcionando. Esta é a primeira vez que temos evidências de que a edição de genes está funcionando e melhorando a função visual", afirmam os pesquisadores.

 

 

 

 

 

Fonte: NPR via Futurism