23 de Mai de 2022

 Crescimento está relacionado ao mau uso de máscara. Entenda

A pandemia está causando um verdadeiro surto de terçol, nome popular do hordéolo, aquela bolinha na pálpebra parecida com uma espinha que causa dor, vermelhidão, coceira e inchaço palpebral. Segundo o oftalmologista Dr. Leôncio Queiroz Neto, na última semana o número de casos aumentou ainda mais. Isso porque, o calor facilita a formação do terçol por aumentar a oleosidade da pele e facilitar a propagação de bactérias. “Aquela bolinha dolorida na pálpebra é uma inflamação das glândulas de zeiss e moll que ficam na base dos cílios. Quando a infecção atinge as glândulas de meibômio, que produzem a camada oleosa da lágrima, se forma o calázio”, afirma o médico. O oftalmologista explica que, ao contrário do terçol que pode desaparecer espontaneamente em 7 a 10 dias, o calázio frequentemente necessita de intervenção cirúrgica. Já que a obstrução forma um granuloma que pode atrapalhar a visão.

Queiroz Neto ressalta que o aumento dos casos de terçol na pandemia está relacionado ao mau uso de máscaras. ”O desajuste na parte superior da máscara faz com que o ar que soltamos pela boca e nariz seja direcionado aos olhos. Isso resseca a lágrima e contamina a região dos olhos com as bactérias que colonizam nosso sistema digestivo, o microbioma, formando um ambiente perfeito para o desenvolvimento tanto do terçol, como do calázio”, explica. Pior: o olho seco predispõe à blefarite, inflamação crônica da pálpebra que provoca terçol recorrente. Outras causas do terçol são a rosácea, dermatites, maquiagem de baixa qualidade ou vencida, compartilhamento de produtos de beleza e aplicação de maquiagem na borda interna da pálpebra inferior.

Tratamento

Ao primeiro sinal de terçol ou calázio o oftalmologista recomenda aplicar nos olhos, por 15 minutos, compressas mornas feitas com gaze e soro fisiológico. Não desaparecendo a inflamação é necessário consultar um especialista para indicação de colírio. Ele adverte que o uso de corticoide em infeção pode piorar o quadro. O médico ressalta também que a receita caseira de aquecer uma aliança e colocar sobre a pálpebra pode causar queimadura e reinfecção por falta de esterilização da aliança. “Nada de tratamento de choque".

Prevenção

As principais recomendações do oftalmologista para evitar tanto o terçol como o calázio são:

  • Use antisséptico bucal para reduzir o risco de alteração da flora dos olhos pela respiração;
  • Lave a máscara diariamente e troque sempre que ficar úmida;
  • Evite ajustar a máscara a todo momento;
  • Use uma fita micropore na parte superior da máscara para evitar que sua respiração seja direcionada aos olhos;
  • Lave as mãos com frequência e evite tocar os olhos;
  • Lave as pálpebras e base dos cílios com xampu de PH neutro, como os infantis;
  • Higienize as mãos com frequência e evite tocar os olhos;
  • Retire toda a maquiagem dos olhos antes de dormir;
  • Evite maquiar a borda interna das pálpebras;
  • Descarte as maquiagens vencidas;
  • Não compartilhe maquiagem e outros cosméticos;
  • Consulte um oftalmologista em caso de recidivas de terçol ou calázio.

 

 

 

 

 

Fonte: assessoria de comunicação do Instituto Penido Burnier